Sindilojas RioTelefone
   
 
Novidades
Busque no site
 
 
CapaSindilojas RioCentral do AssociadoServiçosConvêniosInformaçõesRevistaImprensaContato
Capa
 
Informações      
Mural
Notícias
Perguntas Frequentes
Downloads
Links Úteis
 
24/07/2017
A Delegacia de Serviços do SindilojasRio da Barra da Tijuca tem novo endereço
 
 
 
 
 
21/07/2017
Declarações de Pezão sobre violência no Rio recebem críticas de empresários e políticos
 
 
Reportagem da rádio CBN sobre a reunião do Governador Luiz Fernando Pezão com o presidente Michel Temer e membros do Ministério da Defesa, realizada ontem (20/7), para discutir a segurança no Rio não repercutiu bem no meio político e empresarial.
O presidente do SindilojasRio e do CDLRio, Aldo Gonçalves, foi um dos entrevistados e contou que viu com pessimismo e preocupação o resultado da reunião. Falou ainda sobre pesquisa do CDLRio que demonstra que o comércio gastou entre abril do ano passado e deste ano mais de um bilhão de reais com segurança, lembrando que a violência afasta os consumidores das ruas. Clique na imagem abaixo e ouça a matéria na íntegra.

 
 
 
 
21/07/2017
Modernização da legislação trabalhista – Um novo tempo para o Brasil
 

Preservação dos direitos trabalhistas já conquistados; aumento da autonomia nas negociações entre empregadores e empregados; ampliação da proteção a trabalhadores que, hoje, estão na informalidade, o que contribuirá para reduzí-la; mais oportunidades de trabalho com as novas modalidades de contratação, com mais segurança jurídica para ambos os lados. Estes e outros pontos foram citados pelo deputado federal (SD) Laércio Oliveira, presidente da Fecomércio de Sergipe e vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC, como alguns dos benefícios da Reforma Trabalhista, durante sua palestra, nesta quinta-feira (20/7), no evento comemorativo do Dia do Comerciante que reuniu lideranças empresariais e sindicais, autoridades, lojistas e profissionais do comércio, no auditório da CNC, no Centro do Rio.

Sancionada no último dia 13 de julho pelo presidente da República, a nova legislação que altera mais de 100 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) entra em vigor a partir de novembro. Afirmando que a modernização da legislação trabalhista levará o Brasil a um novo patamar de desenvolvimento, Laércio Oliveira destacou que é preciso ampliar o conhecimento sobre as mudanças para esclarecer trabalhadores e empregadores, pois há muita desinformação. Ele disse que tanto a Lei da Terceirização (Lei nº 13.429/2017), aprovada em março passado, como a Reforma Trabalhista (Lei nº 13.467/2017) são ferramentas indispensáveis para fortalecer as relações trabalhistas e estimular a criação de mais postos de trabalho, pois, hoje, além de 13 milhões de brasileiros atuarem como terceirizados, o país tem mais de 14 milhões de desempregados.

Líder empresarial do setor de Serviços, o parlamentar declarou, também, que a mobilização do empresariado perante o Poder Público, acompanhando e cobrando ações do Legislativo e do Executivo, é fundamental para que se possa avançar em busca do desenvolvimento social e econômico almejado pela sociedade.

Ao abrir a solenidade que comemorou o Dia do Comerciante (celebrado em 16 de julho, data de nascimento do Visconde de Cairu, patrono do comércio), o presidente do SindilojasRio - Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro e do CDLRio - Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro, Aldo Gonçalves, afirmou que a aprovação da Reforma Trabalhista, com certeza, dará novo fôlego aos setores produtivos, em particular ao comércio. Ele destacou, no entanto, que a luta por melhorias, por mudanças que favoreçam as atividades produtivas, não acaba aí. “É preciso aprovar e implementar, o quanto antes, as tão urgentes e necessárias reformas Tributária e da Previdência, além da Política, para que o Brasil retome o seu caminho de prosperidade”, disse o presidente das duas entidades, que juntas reúnem mais de 23 mil empresas lojistas do Rio de Janeiro, do pequeno comerciante às grandes redes de varejo.

O evento foi realizado pelo SindilojasRio e pelo CDLRio, com o apoio da CNC e, também, da Associação Comercial do Rio de Janeiro - ACRio, da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio de Janeiro - FCDL e da Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói – CDLNiterói. Estiveram presentes os presidentes das Federações do Comércio de Alagoas e de Santa Catarina, Wilton Malta e Bruno Breithaupt, respectivamente; o presidente do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da CNC, Alexandre Sampaio, e o secretário executivo do Conselho, Eraldo Alves da Cruz; o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói, Fabiano Gonçalves, representando o presidente da Federação de Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio de Janeiro, Marcelo Mérida; o benemérito da Associação Comercial do Rio de Janeiro – ACRio, Haroldo Bezerra, representando a presidente Ângela Costa; e a chefe da Divisão Sindical da CNC, Patrícia Duque, entre outros.
 
 
 
20/07/2017
Intenção de consumo das famílias aumenta 12,5% em julho
 

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), alcançou 77,3 pontos em julho de 2017, em uma escala de 0 a 200. O aumento de 12,5% em relação ao mesmo período do ano passado representa a maior variação anual da série histórica do índice, que começou a ser apurado em 2010. Na comparação com junho, o indicador também apresentou incremento de 0,2%.

“A confiança dos consumidores, que segue em trajetória positiva em relação ao mesmo período do ano passado, vem sendo conduzida pela melhora das expectativas. O início de recuperação das condições econômicas, como a desaceleração da inflação, a queda dos juros e a liberação dos recursos das contas inativas do FGTS, pode levar a uma alta mais consistente ao longo dos próximos meses”, comenta Juliana Serapio, assistente econômica da CNC.
 
 
 
14/07/2017
Comerciante comemora seu dia trabalhando
 
Sem feriado e sem festa, o comerciante comemora no próximo dia 16 o seu dia trabalhando, com os seus estabelecimentos de portas abertas, como faz diariamente. Pela sua importância econômica e social, a data merecia ser muito mais festejada em todo país. Afinal, o comércio é o combustível que alimenta a economia, por isso mesmo é propulsor essencial ao crescimento e um dos principais geradores de emprego e renda.
 
Empreendedor persistente, que não esmorece nunca, o comerciante busca superar sempre as adversidades e os obstáculos que se apresentam no dia a dia do seu negócio, além de enfrentar os desafios da competição do mercado, tarefa que continua exigindo sacrifícios, renúncias e muita determinação para consolidar, definitivamente, as difíceis conquistas alcançadas ao longo dos anos.

Um rápido balanço mostra que o ano de 2016, que terminou sob o signo da incerteza, não é de boas lembranças para ninguém. Todos – cidadãos e os setores produtivos – sofreram as consequências da falta de perspectivas nos setores político e econômico.

No caso específico do comércio, o ano passado foi marcado pelo fraco desempenho das vendas, principalmente das datas comemorativas, que não atingiram o esperado movimento, culminando com o pior Natal dos últimos dez anos, cujas vendas correspondem a 25% do faturamento anual do comércio e normalmente garantem o fôlego do setor para enfrentar os três primeiros meses do ano seguinte. Foi o Natal da recessão, dos juros exorbitantes, da inflação e do desemprego – conjunto de fatores negativos que corrói o salário e diminui dramaticamente o poder de compra.

 
Otimista por natureza, comerciante não quer e não pode esmorecer

É com este mesmo cenário que nos deparamos em 2017. Por isso mesmo o comércio do Rio de Janeiro deve se preparar para enfrentar tempos difíceis. Estes problemas, aliados aos custos de operação cada vez maiores, têm provocado, dentre outras consequências nefastas, uma onda de fechamentos de lojas. Exemplo disso são os milhares de estabelecimentos comerciais que fecharam as portas apenas nos últimos seis meses, enquanto inúmeros outros negócios correm o risco de ir pelo mesmo caminho.

Outro ponto que tem prejudicado bastante a atividade, principalmente as lojas de rua, é a segurança. O comércio varejista carioca gastou R$ 1,2 bilhão com segurança de abril de 2016 a abril de 2017 com a contratação de vigilantes, equipamentos eletrônicos, grades, blindagens de portas e reforço de vitrines. É como se fosse mais um tributo pago pelos lojistas, já massacrados pelo peso da burocracia e da alta carga tributária.

A violência urbana na cidade do Rio de Janeiro vem prejudicando bastante o comércio, já afetado pelo quadro econômico do país e, em especial pela crise do Estado do Rio, que tem influído profundamente no comportamento do consumidor, que por um lado fica com medo de sair de casa e por outro reduz seus gastos, entre eles as compras.

Todo esse gasto com segurança poderia ter sido investido na ampliação dos negócios, como novas lojas, reformas, treinamento de pessoal, gerando mais emprego e renda.

Não devemos, porém, fechar os olhos para uma nova realidade que vamos ter que estar muito bem preparados para enfrentar. O comércio varejista, mercado onde atuamos, está se transformando a uma impressionante velocidade, mais rápida e dinâmica do que nunca. Prova disso é que alterou-se radicalmente nos últimos anos, tirando do ar tradicionais empresas que jamais poderíamos imaginar que deixariam de existir. A competição é contínua e feroz, e as mudanças, constantes.

Mas o comerciante, otimista por natureza, não quer e não pode esmorecer. O comércio quer e precisa crescer. Insiste em dar emprego e gerar renda, apesar do quadro caótico que o país atravessa, que inviabiliza investimentos e trata tão mal os setores produtivos, notadamente o comércio e os serviços.
 
Aldo Gonçalves
Presidente do SindilojasRio e do CDLRio e diretor da CNC


Artigo publicado no Monitor Mercantil de 12.07.2017.


 
 
 
 
Página: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 »
 
Contribuições
Obrigações do Mês
Associe-se
Convênios
 
Revista
 
 
         
 
   
Sindilojas Rio
Telefone

Rua da Quitanda, 3 - 10º, 11º e 12º andares
Centro Rio de Janeiro RJ
CEP 20011-030